(31) 9 8720 -3111 [email protected]

O fungo branco é muito comum em várias plantações, inclusive nos vegetais. Neste artigo você aprende mais sobre a presença de fungo branco nas plantas. Apresentamos informações sobre como surgem, as principais características e as formas de prevenção e controle.

Venha comigo!

 

FUNGO BRANCO NAS PLANTAS

Fonte: www.blog-flores.pt

 

Você já notou uma cobertura branca nas suas plantas? O que as pessoas costumam chamar de mofo popularmente, na verdade é um conjunto de micro-organismos que pertence ao reino fungi.

Essa camada que pode revestir as folhas e os caules dos vegetais é o oídio, um fungo muito comum em plantações. Mas todo cuidado é pouco, pois, quando a infestação é grande, ele pode se espalhar para as flores e frutos, além de danificar os órgãos das plantas.

Os danos causados por essas pragas levam a planta à morte e podem até chegar às raízes. Por exemplo, danificando até mesmo o solo para prejudicar o cultivo futuro de outras culturas.

 

Fitossanidade

 

Fungo branco nas plantas

O mofo branco é causado por um fungo ascomiceto chamado Sclerotinia sclerotiorum, nome científico do agente causador da doença.

É uma das doenças que mais provocam prejuízo na lavoura de grandes culturas, tais como algodão, soja, feijão, girassol, entre outras.

Estima-se que essa doença atinja pelo menos 400 espécies diferentes de plantas. Ou seja, trata-se de uma doença que possui uma ampla gama de hospedeiras, o que dificulta seu controle.

 

Fungo Branco

(Fonte: Jardinet, 2016)

 

Um dos fatores que contribuem para esse comportamento é que o fungo causador da doença possui alta resistência e desenvolve estruturas que podem permanecer viáveis durante anos.

Além disso, o fungo se dispersa com facilidade, contribuindo para a contaminação de diferentes lavouras. Após serem contaminadas, as plantas desenvolvem sintomas como hastes e vagens com lesões encharcadas e tecido com coloração parda/marrom.

 

Infecção do fungo branco nas plantas

As flores das plantas são porta de entrada para que ocorra a infecção do patógeno, que será capaz de penetrar e colonizar tecidos sadios do hospedeiro, sendo o processo de florescimento do hospedeiro o momento crítico da doença, onde o processo de infecção será intensificado.

O primeiro sintoma da doença são lesões encharcadas nas folhas. A colonização para outros órgãos da planta progride de forma rápida, tornando o caule escuro e, posteriormente, necrótico devido a toxinas liberadas pelo patógeno.

 

Fungo nas plantas

Foto: folhago.com.br

 

O processo de apodrecimento também pode ser observado em hastes laterais, folhas, vagens e, geralmente, resultam em morte da planta. Nesta fase pode ser visto um micélio branco, que lembra o aspecto de algodão e constitui a origem do nome da doença.

 

Quais são as condições ideias?

Regiões chuvosas, alta umidade no solo e temperatura amena são condições ideais para a germinação do escleródio.

A germinação pode ser carpogência, que dá origem ao apotécio, estrutura com formato parecido com um pequeno cogumelo que libera esporos, chamados de ascósporos que irão infectar os tecidos das plantas, produzindo micélio e posteriormente os escleródios.

Através da germinação carpogênica, o patógeno irá colonizar partes internas e externas das plantas e esta será a principal forma de infecção a campo.

 

Fungos causadores de doenças em plantas.

 

Quais são os danos provocados pelo fungo branco nas plantas?

Na prática, os prejuízos provocados pelo desenvolvimento desses sintomas variam de acordo com a cultura. Por isso, te apresentamos abaixo como esse fungo afeta as culturas mais suscetíveis à infecção por mofo branco.

 

Cultura de Soja

O mofo branco é uma das principais doenças que atingem a cultura da soja. Caso a doença não seja controlada, pode reduzir em até 70% a produção do grão.

O período crítico de contágio coincide com a época do florescimento e de formação das vagens, já que o patógeno ataca as estruturas reprodutivas.

 

Figura: biomip.com.br

 

O fungo se concentra principalmente nas inflorescências, pecíolos e ramos das plantas. Nas vagens infectadas, o fungo compromete o enchimento dos grãos, que se tornam menores, enrugados e com uma coloração anormal.

 

Cultura de Feijão

A podridão-de-esclerotinia apresenta um potencial altamente destrutivo quando contamina a cultura do feijão. Em geral, o patógeno ataca em áreas irrigadas durante o período de outono-inverno, quando as temperaturas estão mais amenas.

 

Mofo Branco- Feijão

Figura: www.jardinet.com.br

 

Nessa cultura, os sintomas ocorrem em reboleiras, onde os caules apodrecem, provocando o murchamento da planta. O fungo também infecta as flores, folhas, ramos e vagens.

Cultura de Algodão

O mofo branco é uma das principais doenças que atingem o algodoeiro no Brasil. Isso ocorre porque as áreas de plantio de algodão estão localizadas em regiões que oferecem condições favoráveis ao desenvolvimento do fungo.

 

Fungo Branco- Algodão

(Fonte: Revista cultivar, 2020)

 

Apesar de preferir ambientes úmidos, o patógeno pode ocorrer em áreas de Cerrado de forma esporádica, principalmente no período de chuva ou em áreas irrigadas.

No algodoeiro, os primeiros sintomas aparecem no pecíolo, haste, folhas e maçãs. No período de floração do algodão, a disseminação do fungo ocorre de forma mais rápida.

 

Conheça as principais técnicas de controle e manejo

A forma mais eficiente para proteger sua lavoura do fungo branco nas plantas envolve a adoção de várias estratégias e técnicas de controle e manejo. Conheça cada uma delas a seguir.

 

Utilize sementes certificadas

As sementes certificadas se diferenciam por conta da sua qualidade, garantindo um bom desenvolvimento das plântulas nas fases iniciais de plantio.

Porém, é importante investir em sementes provenientes de empresas confiáveis e com responsabilidade na produção desse tipo de grão.

 

 

Invista no tratamento das sementes

O tratamento das sementes também contribui para a proteção da plântula nos estádios iniciais de desenvolvimento.

Isso ocorre porque o produto utilizado impede que os propágulos do fungo consigam se fixar na superfície das sementes.

Para investir nesse processo, o produtor pode optar pelo Tratamento de Sementes Industrial (TSI) ou pela aplicação on farm, ou seja, com produtos específicos para a cultura.

Escolha cultivares eretas

Mesmo que a lavoura esteja localizada numa região de clima mais seco, é possível que a associação entre plantas e irrigação crie um microclima favorável ao desenvolvimento do fungo.

Para evitar esse problema, uma das soluções é cultivar variedades que se desenvolvam de forma mais ereta. Isso permite uma boa aeração, dificultando o estabelecimento do patógeno.

 

Respeite o espaçamento entre as linhas

Estabelecer um espaçamento maior entre as linhas também contribui para aeração entre as plantas. Isso dificulta a formação do microclima ideal para o desenvolvimento do fungo.

 

Cuidado com a época do plantio

Como o mofo branco tem preferência por climas mais amenos e com alta umidade, o ideal é evitar o plantio durante o período de chuvas.

 

Limpe os equipamentos e máquinas agrícolas

Os escleródios do fungo podem ser transportados por equipamentos e máquinas agrícolas que tiveram contato com plantas ou solo contaminados.

Por isso, é importante limpar o maquinário antes de realizar qualquer procedimento na lavoura. Assim, você pode evitar a contaminação da área de plantio.

 

Faça a rotação de culturas

Em áreas suscetíveis ao ataque do mofo branco, a rotação e/ou sucessão de cultura deve ser feita com plantas que não são hospedeiras desse fungo, como as gramíneas. Assim, você consegue interromper o ciclo de vida do patógeno.

Faça a cobertura do solo com palhada

A palhada atua como uma barreira física que impede a exposição dos escleródios à luz solar. Isso dificulta a formação de apotécios e, por consequência, prejudica o ciclo de vida do fungo.

Porém, é preciso tomar cuidado com a composição da palhada. O ideal é que a palhada seja formada por gramíneas, como as brachiarias, que não são hospedeiras desse patógeno.

Revolva o solo

Revolver o solo antes do plantio ajuda a empurrar os escleródios para camadas mais profundas do terreno.

Assim, você impede que essa estrutura de resistência tenha acesso a condições favoráveis ao seu desenvolvimento.

 

Invista no controle biológico do fungo

O controle biológico ainda é a melhor forma de fazer o controle do mofo branco nas plantas. Como ainda não existem estratégias de controle genético disponíveis para a eliminação dessa doença, esse método pode ser associado ao uso de fungicidas, que ainda são poucos no mercado.

Para fazer esse tipo de controle, você pode utilizar diversos microorganismos, como as bactérias Bacillus subtilis.

 

Conclusão

Neste artigo vimos tudo que precisamos saber sobre o fungo branco nas plantas e o quanto podem afetar sua produtividade.

Com isso é de extrema importância que o agricultor faça monitoramento pois quanto mais cedo identificar a doença melhor para realizar o diagnóstico correto e assim realizar medidas de manejo para o controle em sua lavoura.

Gostou de saber mais sobre o assunto?  Deixe seu comentário e acompanhe nosso blog e fique por dentro dos próximos artigo.

 

Fitossanidade

Michelly Moraes