fbpx
(31) 9 8720 -3111 [email protected]

As colheitadeiras, também conhecidas como colhedeiras, colhedoras ou ceifadeiras é um equipamento agrícola destinado à colheita de lavouras, tais como de cana-de-açúcar, café, algodão ou grãos (trigo, arroz, café, soja, milho e dentre outros).

Saiba mais sobre essa importante máquina agrícola e sobre os cuidados na hora colheita da sua lavoura neste post. Boa leitura!

 

colheitadeiras

 

A evolução das colheitadeiras

A colheitadeira surgiu devido à modernização das lavouras, com grandes plantios comerciais em grandes áreas, que contribuíram para que a colheita feita manualmente fosse substituída por máquinas.

Primeiramente era por tração animal, que logo passaram a ser motorizadas através de motores a vapor e posteriormente por motores de combustão interna.

Além disso, com o uso de colheitadeiras houve melhorias na qualidade do produto colhido: a colheita é feita com maior rapidez, eficácia e menor teor de impurezas.

Foi utilizado nos primeiros tratores do ano de 1885 um shaker para separar o trigo do joio. Consistia em grelhas com pequenos dentes em um eixo excêntrico para ejetar a palha, mantendo o grão.

O trator elaborado, evoluiu para motores à diesel para alimentar a separação de grãos.

Até que a tela de autolimpeza rotativa foi inventada em meados dos anos 1960, porém os motores sofriam de superaquecimento devido à palhada expelida na colheita de grãos pequenos. Um avanço significativo no projeto de colheitadeiras foi o design rotativo.

Os grãos são inicialmente retirados do caule, passando ao longo de um rotor helicoidal, em vez de passar entre as barras de aço com ranhuras do lado de fora de um cilindro e um côncavo. A cerca de 1980 on-board, eletrônicos foram introduzidos para medir a eficiência da debulha.

Esta nova instrumentação permitiu que os operadores obtivessem melhor rendimento de grãos, otimizando a velocidade de solo e outros parâmetros de funcionamento.

Atualmente, o implemento está equipado com cabeças removíveis que são projetados para determinadas culturas.

 

Pós-Graduação em Gestão e Economia do Agronegócio

 

Cuidados na condução da colheita

O agricultor deve integrar a colheita ao sistema de produção e planejar todas as fases, para que o grão colhido apresente bom padrão de qualidade.

Nesse sentido, várias etapas como a implantação da cultura até o transporte, secagem e armazenamento dos grãos, têm de estar diretamente relacionadas.

Alguns aspectos devem ser considerados desde o planejamento de instalação.

Num sistema de produção em que, o grão, por exemplo, vai começar a ser colhido, há necessidade de tomar cuidado com alguns pontos decisivo:

  • Área total plantada;
  • Número de colheitadeiras;
  • Data de plantio;
  • Número de dias disponíveis para a colheita;
  • Distância entre os silos;
  •  Produtividade;
  •  Número de horas de colheita/dia;
  • Velocidade da colheita;
  • Número de carretas graneleiras;
  • Teor de umidade do grão;
  • Capacidade do secador;
  • Capacidade do silo de armazenamento.

 

Checklist agrícola

 

Regulagem da colheitadeira X Qualidade dos grãos

Para exemplificar, vamos abordar a colheita do sorgo, onde o conjunto formado pelo cilindro e o côncavo constitui-se no que pode ser chamado de “coração” do sistema de colheita.

Esta, exige muita atenção na hora da regulagem da colheitadeira, para se obter uma colheita de grãos de alta qualidade.

A distância entre o cilindro e o côncavo é regulada de acordo com a recomendação do fabricante. Ela também deve ser tal que o grão seja trilhado sem ser quebrado.

Outro ponto fundamental diz respeito à relação entre a rotação do cilindro e o teor de umidade.

A rotação do cilindro debulhador é regulada conforme o teor de umidade dos grãos, ou seja, quanto mais úmidos, maior será a dificuldade de trilha, exigindo maior rotação do cilindro batedor.

À medida que os grãos vão perdendo umidade, eles se tornam mais quebradiços e mais fáceis de serem destacados, sendo necessário reduzir a rotação de trilha.

A regulagem de rpm do cilindro e a abertura entre o cilindro e o côncavo é uma decisão entre a opção de perda e grãos quebrados, sem nunca ter os dois fatores 100% satisfatórios.

Por exemplo, em caso de sementes, pode-se optar por uma perda maior, com menos grãos quebrados.

colheitadeiras

Fonte: John Deere

 

Perdas na colheita

Além dos danos mecânicos, a colheita pode ser avaliada através de perdas no campo, que servem como indicador para regulagem da colhedora. Existem quatro tipos de perdas:

Pré-colheita – O primeiro tipo de perda ocorre no campo sem nenhuma intervenção da colheitadeira e deve ser avaliada antes de iniciar a colheita mecânica.

Essa avaliação tem também o objetivo de saber se uma cultivar apresenta ou não problemas de quebramento excessivo de colmo, se é adaptada ou não para colheita mecânica.

Plataforma – As perdas de panículas na plataforma são as que causam maior preocupação, uma vez que apresentam efeito significativo sobre a perda total.

Podem ter sua origem na regulagem da colheitadeira, mas de maneira geral, estão relacionadas com: a adaptabilidade da cultivar à colhedora e parâmetros inerentes à máquina de colheita (velocidade de deslocamento, altura da plataforma, e regulagem do espaçamento).

Grão soltos – As perdas de grãos soltos (separação) e de grãos na panícula estão relacionadas com a regulagem da máquina.

As perdas por separação são ocasionadas quando ocorre sobrecarga no saca-palha, peneiras superior ou inferior um pouco fechadas, ventilador com rotação excessiva ou sujeira nas peneiras.

Grãos na panícula – Esse tipo de perda ocorre em função da regulagem do cilindro e côncavo.

Como possíveis causas podemos citar a grande folga entre eles, velocidade elevada de avanço, baixa velocidade do cilindro trilha, barras do cilindro estão tortas ou avariadas, côncavo está torto e existência de muito espaço entre as barras do côncavo.

Nos teores de umidade mais altos, testes indicam que a perda de grãos na panícula é o que mais contribui para o aumento da perda total.

 

Você sabe a importância dos Sistemas de Informação Geográficas (SIG) no agronegócio?

 

Qual a melhor colheitadeira para sua lavoura?

Então agora, você deve estar se perguntando, qual a colheitadeira ideal para a minha lavoura?

Pois bem, isso vai depender do que é cultivado na sua fazenda. Dessa forma, conheça abaixo as principais máquinas colheitadeiras no mercado de acordo com sua necessidade:

  • Café: são duas colheitadeiras de café que são melhores ranqueadas nas vendas: K3 Millennium, da Jacto e a Coffee Express 200 Multi, da Case IH.
  • Grãos: aqui daremos destaque para três colheitadeiras, a colheitadeira híbrida 4690 da Massey Ferguson, a da New Holland TC 5090 e por fim a colheitadeira da John Deere S790.
  • Cana-de-açúcar: a líder de mercado em 2020 foi a colheitadeira Case IH 8810, tendo também em destaque os modelos CH950, CH570 e CH670 da John Deere.

 

colheitadeiras

Fonte: John Deere

 

Desse modo, um dos grandes diferenciais na hora da escolha da colheitadeira é a pesquisa de mercado.

Isto te ajudará a conhecer qual a performance e desempenho de cada colheitadeira para sua lavoura, levando sempre em consideração custos e benéficos de cada uma.

Gostou do assunto? Tempos outros posts sobre máquinas agrícolas, não perca nossos conteúdos e boa leitura!!

 

Pós-Graduação em Gestão e Economia do Agronegócio

Juliana Medina