(31) 9 8720 -3111 contato@agropos.com.br

A mosca branca é encontrada nas principais regiões agrícolas do mundo e é de grande importância por causar grandes perdas na produtividade em diversas culturas.

Esse inseto é altamente polífago e pode causar danos diretos às plantas, através da sucção de seiva, ou indiretos pela transmissão de viroses.

Neste artigo vamos aprender um pouco mais a respeito dessa importante praga.

Vem Comigo!

 

Mosca Branca

 

 

O PANORAMA DA MOSCA BRANCA

A mosca branca são insetos sugadores de seiva e têm como principal gênero Bemisia, e desse gênero Bemisia tabacci é a espécie mais importante e mais dispersa pelo mundo.

São descritos mais de 40 biótipos de B. tabaci, sendo, no Brasil, predominante o biótipo B.

A mosca branca, é um inseto polífago que tem causado perdas severas aos produtores de diversas culturas.

Esse inseto possui mais de 750 plantas hospedeiros, como como feijão, soja, algodão, tomate, pimentão, batata e plantas ornamentais.

O plantio sucessivo de culturas hospedeiras e plantas daninhas presentes na área de cultivo tem facilitado a expansão dessa praga, principalmente nas regiões mais produtivas do Brasil.

Nos últimos anos foi registrado surtos dessa praga em praticamente todo o território nacional, tornando a praga de maior crescimento no Brasil.

A incidência da mosca branca é bem elevada no centro oeste, devido as condições climáticas adequadas ao desenvolvimento da praga e por ter uma agricultura com cultivos hospedeiros de forma contínua.

As principais culturas atacadas entre os anos de 2012 a 2016 foram a cultura da  soja, do algodão, do feijão, do tomate e da batata.

A mosca branca pode chegar a gerar perdas superiores a 50% em plantios de tomate. Já na cultura do algodão, esse inseto prejudica a comercialização da fibra, pois ao ingerir a seiva a mosca secreta uma substância que altera a composição dela.

 

O PANORAMA DA MOSCA BRANCA

Fonte: IHARA

 

 

CICLO DE VIDA

O ciclo de vida da B. tabaci pode durar entre 25 e 50 dias, dependendo das condições ambientais, sendo a temperatura e a umidade os fatores determinantes.

O ciclo biológico da mosca branca é dividido nas fases adulto, ovo, 3 instar da ninfa e pulpa.

Os adultos possuem de 1 a 2 mm de comprimento, sendo a fêmea um pouco maior que o macho. Apresentam coloração amarelo-pálido, aparelho bucal tipo sugador e dois pares de asas membranosas que são recobertas por uma substância pulverulenta de cor branca.

 

ebook mosca branca

 

Cada fêmea tem capacidade de fazer a postura de 100 a 300 ovos, durante todo seu ciclo de vida. Esses ovos são colocados na face abaxial das folhas jovens.

Os ovos apresentam aproximadamente 0,2 mm e um formato de periforme. A fase de ovo pode durar de 5 a 7 dias, quando começa a eclosão das ninfas.

A ninfa de 1º instar se locomove, por alguns minutos, até se fixarem nas folhas para succionar a seiva da planta.

Posteriormente, as ninfas passam por 3 instares imóveis, sendo o último instar chamado de pulpa e, enfim, os adultos.

Ciclo de vida da mosca branca

Ciclo de vida da Mosca Branca (Bemisia tabacci)

 

 

DANOS

Devido à sua característica polífaga, alta capacidade reprodutiva e desenvolvimento de resistência a alguns inseticidas, este inseto tem causado danos altamente significativos à agricultura.

Os danos causados pela mosca branca podem ser classificados como diretos ou indiretos.

Os danos diretos da mosca branca são causados pelas ninfas e adultos, através da sucção de seiva e injeção de toxinas, quando se alimentam.

Esses danos podem causar alterações no desenvolvimento vegetativo e reprodutivos da planta, diminuindo à produção.

Como dano indireto, pode-se ocorrer a formação de fumagina sobre as folhas. B. tabacci secreta um líquido açucarado que favorece o crescimento de fungos formadores de fumagina, o que acarreta a perda de área fotossintética das folhas, prejudicando a produção.

No entanto, o dano indireto mais preocupante causado por essa praga é a transmissão de várias viroses.

Sabe- se que cerca de 120 espécies de vírus podem ser transmitidos por B. tabaci, representando um grave problema fitossanitário em várias culturas agrícolas.

Entre estes estão o vírus do mosaico dourado do feijoeiro, o vírus do mosaico anão e o vírus do mosaico crespo em soja, o vírus do mosaico comum do algodoeiro e geminivírus em tomateiro, pimentão e batata.

 

Danos causados por mosca branca

Danos causados por mosca branca, fumagina em soja, mosaico dourado do feijoeiro e mosaico comum do algodão (Fotos: IHARA).

 

 

COMO CONTROLAR A MOSCA BRANCA

Para o eficiente controle da mosca branca, diferentes práticas e estratégias podem ser adotadas pelo produtor.

Portanto, para o sucesso no manejo da mosca branca, é necessário o reconhecimento da praga associado à adoção do manejo integrado de pragas (MIP). E algumas práticas importantes do manejo integrado de mosca branca são:

 

 

Monitoramento da mosca branca

O monitoramento das lavouras é essencial para tomada de decisão de controle, pois o controle pode ser mais eficaz quando feito no início da infestação.

Como a mosca branca pode ocorrer durante todo o ciclo da cultura, o monitoramento deve ser feito desde a emergência até o final do ciclo.

Esse monitoramento pode ser realizado por meio de inspeções e/ou o uso de armadilhas adesivas de coloração amarela.

 

Monitoramento da mosca branca

Armadilha adesiva e monitoramento populacional da mosca branca na lavoura (Foto: EMBRAPA)

 

 

Controle Cultural

Medidas de controle cultural podem ser adotadas, desde a escolha da área para plantio, como durante a condução da cultura.

Algumas dessas medidas são:

  • Evitar o plantio em locais com culturas vizinhas hospedeiras e com infestação da praga.
  • Destruição de plantas daninhas e restos culturais,
  • Rotação de culturas com o cultivo de espécies não hospedeiras da praga,
  • Uso de variedades resistentes, à mosca branca e/ou vírus que a ela é capaz de transmitir.

 

webinar plantas daninhas

 

 

Controle Biológico

Bem como para outras pragas o controle biológico tem evoluído para mosca branca. Há uma grande variedade de inimigos naturais da B. tabacci, como predadores, parasitoides e entomopatógenos.

Como exemplo de inimigos naturais importantes no controle da mosca branca podemos citar o parasitoide de ninfas Encarsia formosa, o ácaro predador Ambliseius tamatavensis e fungos entomopatogênicos do gênero Lecanicillium.

No entanto, na prática, o mais utilizado no controle biológico da mosca Branca é o fungo entomopatogênico Beauveria bassiana.

Ministério da Agricultura e Abastecimento estão registrados cerca de 20 produtos comerciais a base desse entomopatógeno para o controle de B. tabaci.

 

Controle Biológico

Fungo entomopatogênico infectando mosca branca (Foto: Promip)

 

Controle Químico

O controle químico tem sido o método de controle mais utilizado. No entanto, seu uso necessita de cuidados para prevenir riscos com resistência.

A rotação de produtos de grupos químicos e modo de ação diferentes deve ser adotado para evitar a evolução da resistência.

Para o controle da mosca branca existem 11 grupos químicos de modo de ação diferentes que podem ser utilizados na rotação de produtos e misturas.

Outras práticas como, momento de aplicação, doses, misturas e número de aplicações também são importantes para evitar a evolução da resistência.

 

ebook pulverização

 

 

CONCLUSÃO

A mosca branca, Bemisia tabaci é uma praga que tem causado perdas cada vez maiores em diversas culturas de interesse econômico.

 

Pós-graduação em manejo integrado de pragas

 

Além de causar danos diretos, também é vetor de vários vírus causadores de doenças em plantas.

O uso do manejo integrado de pragas, MIP, para o controle da mosca branca é de extrema importância como forma de integração e para evitar resistência à inseticidas.

Escrito por Pollyane Hermenegildo

Pollyane Hermenegildo
Últimos posts por Pollyane Hermenegildo (exibir todos)
ligamos para você AgroPós