(31) 9 8720 -3111 [email protected]

A calagem é uma prática muito difundida entre os agricultores, mas ainda existem muitas dúvidas a respeito. Pensando nisso preparamos esse artigo onde irá abordar a eficiência do calcário agrícola no solo, afinal não basta somente saber aplicar. Quer ficar por dentro?

Acompanhe!

 

Calcário Agrícola

 

Antes do plantio em si, é fundamental preparar o solo, garantindo nutrientes que farão a diferença para uma boa safra. Entre esses cuidados prévios, está a calagem ou a colocação de calcário no solo.

O procedimento torna os solos brasileiros mais férteis, melhorando os nutrientes da terra e diminuindo a quantidade de substâncias tóxicas. Afinal, nosso país é bem conhecido pela terra ácida (pH inferior a 5,5), com pouco cálcio e muito manganês e alumínio.

Mas, como você deve ter ouvido falar, muito sobre a aplicação do calcário agrícola . Mas e sua eficiência? Neste artigo vamos abordar tudo que você produtor precisar saber sobre esse tema. Vamos lá!

 

Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas

 

Mas afinal, o que é o calcário?

O calcário é uma rocha sedimentar composta por diversos minerais, sendo que tem quantidades acima de 30% de carbonato de cálcio (aragonita ou calcita). Por essa riqueza de minerais, ele ajuda a tornar os solos mais férteis e melhorar a produtividade das safras.

Esse tipo de rocha é formada pelo acúmulo de organismos inferiores como as cianobactérias ou no meio marinho pela precipitação de carbonato de cálcio na forma de bicarbonato.

 

Calagem no solo

 

O calcário também é encontrado em rios, lagos e no subsolo. Vale dizer que o Brasil está entre os principais países que produzem esse tipo de rocha, por isso a prática de fazer a calagem é uma frequente por aqui.

Além da aplicação de calcário no solo para mais produtividade, essa rocha é usada na produção de cimento, cal e vidro, além de ser um dos fundentes na metalurgia e também tem seu valor como pedra ornamental.

 

Solos no Brasil

 

Benefícios do calcário agrícola

  • Diminuição da implicação tóxica do Alumínio (Al);
  • Diminuição da retenção do Fósforo (P);
  • O aumento da disponibilidade do Nitrogênio (N), Fósforo (P), Potássio (K), Cálcio (Ca), Magnésio (MG), Enxofre (S) e Molibdênio (Mo) no solo;
  • O aumento da ação dos fertilizantes impedindo seu desperdício;
  • Amento da firmeza dos tecidos as agressões externas como pragas e ventos, através do cálcio viabilizado pelo calcário que entra na composição das células das plantas;
  • Aumento da performance microbiana e a saída de nutrientes pela decomposição da matéria orgânica;
  • Melhoramento dos atributos físicos do solo, gerando melhor aeração e circulação de água;
  • Aumento da evolução radicular, fazendo com que as plantas desfrutem os nutrientes de um volume maior de solo e as torna mais resistente a falta de chuvas;
  • Aumento da produtividade das culturas pelo resultado de um ou mais benefícios citados anteriormente.

 

Necessidade da calagem

A calagem visa elevar o pH do solo a um nível adequado (5,5-6,5), neutralizar o Al3+ e fornecer Ca e Mg.

Assim, a NC deve, no mínimo, atender a demanda de Ca e Mg da cultura (X) e no máximo neutralizar a acidez potencial (H+Al) do solo.

Dessa forma, após calcular a NC de calagem pelos diferentes métodos, deve-se verificar a seguinte condição: X< NC < (H+Al). Caso a NC seja menor que o valor de X, deve-se ignorar e recomendar o valor de X estabelecido para a cultura.

No entanto, a estimativa da NC por um método qualquer não deve ultrapassar o valor de (H+Al), no qual é determinado elevando o pH da amostra de solo em torno de 7,0, considerando que a aplicação de 1 t/ha de CaCO3 irá, em tese, neutralizar 1 cmolc dm-3 de acidez e elevar o teor de Ca trocável no solo em 1 cmolc dm3.

Necessidade da calagem

Na prática, esses valores não devem ser atingidos pois a taxa de recuperação de Ca pelo extrator não será de 100% e a eficiência da calagem não deve ser plena. No entanto, para fins de verificação da NC essa dedução é válida e adequada.

 

Quantidade de calcário

Quando as pressuposições da NC não são plenamente atendidas, deve-se calcular a quantidade de calcário (QC), de modo a corrigir a dose a ser usada. A QC pode ser calculada usando a seguinte fórmula:

 

Calculo de quantidade de Calcário

Calculo de quantidade de Calcário

 

Onde:

  • QC: quantidade de calcário (t/ha)
  • NC: necessidade de calagem (t/ha)
  • SC: superfície coberta com aplicação do calcário (%, 100% para aplicação em área total)
  • P: profundidade de incorporação do calcário (cm)
  • PRNT: poder relativo de neutralização total do calcário a ser utilizado (%)
  • Quando a quantidade de calcário recomendada é elevada (> 4 t/ha para solos argilosos ou >2 t/ha para solos arenosos), recomenda-se o parcelamento da dose em pelo menos duas aplicações, minimizando os riscos de uma supercalagem.

 

Aplicação de Calcário

Aplicação de Calcário

Fonte: AgroPós

 

A aplicação do calcário agrícola no solo pode ser

  • Incorporada, com aplicação seguida de operações de aração e gradagem;
  • Superficial, com aplicação sobre a superfície do solo sem revolvimento.
  • Como o calcário de maneira geral apresenta baixa solubilidade, a calagem incorporada tem sido uma opção muito utilizada por muitos agricultores.
  • No entanto, diversos trabalhos têm demonstrado a eficiência da calagem superficial, que possui a vantagem de não comprometer a estrutura do solo pelo distúrbio.

 

Quais são os tipos de calcário?

É importante conhecer os tipos de calcário que existem. Confira a seguir.

  • Calcítico: é o que contém maior teor de cálcio (45 a 55%) e menor de magnésio.
  • Magnesiano: esse fica com um teor intermediário de magnésio (5 a 12%).
  • Dolomítico: este tipo de calcário tem maior teor de magnésio (maior que 12%) e baixo teor de cálcio.

Vale lembrar que o tipo de calcário a ser usado é identificado com as análises do solo, já que seu uso fará a correção dos nutrientes da terra. Além desse ponto, cada cultura pede um grau de pH do solo específico.

 

 

Análise do solo

análise do solo é fundamental para que o agricultor possa diagnosticar as condições do solo tanto químicas como físicas, como os teores nutricionais, acidez e o tamanho das partículas, permitindo avaliar a necessidade de calagem, quanto e qual tipo de calcário agrícola deve ser utilizado e quais nutrientes devem ser fornecidos por meio de adubação.

 

Amostra de solo

 

Ou seja, a garantia de uma alta produtividade aliada a preservação do meio ambiente passa por um solo fértil e conservado e a análise do solo é fundamental para propiciar as melhores condições para as culturas desejadas.

 

Cuidados que devem ser tomados no uso dessa técnica

A aplicação ocorre três meses antes do plantio, para garantir que o insumo atue de forma satisfatória. Mas, como o calcário depende de umidade para a realização do condicionamento do solo, devem ser evitados períodos de seca para aplicação do produto.

Um dos problemas mais recorrentes na fase de aplicação é a super calagem, ou seja, a aplicação do calcário acima dos níveis recomendados ocasionada pela má distribuição, incorporação ou dimensionamento do insumo.

Essa condição faz com que ocorra a mineralização excessiva da matéria orgânica, tornando-a muito mais vulnerável ao processo de lixiviação, que é quando os nutrientes se movem no perfil do solo, se perdendo para as camadas mais profundas.

 

Cuidados na Aplicação Calcário

 

Adubação fosfatada no sulco de plantio ameniza a intensidade dos sintomas de deficiência de manganês, identifica que o excesso de cálcio devido à realização de super calagem proporciona o aparecimento deficiência de manganês nas plantas.

Outro efeito relacionado com o excesso de cálcio. O processo retrogradação faz com que os íons reajam com o cálcio e voltem a uma forma indisponível para as plantas.

Dessa forma, a calagem deve ser executada dentro das recomendações e especificações técnicas, a fim de gerar apenas benefícios a campo.

 

Conclusão

A calagem apresenta uma série de benefícios como a regulação de pH, neutralização de metais potencialmente tóxicos e fornecimento de nutrientes importantes para as plantas.

Benefícios esses limitados pela execução satisfatória da aplicação, em períodos do ano em que o solo ainda tenha certo nível de umidade e respeitando todas as recomendações inerentes ao processo.

É fundamental conhecer as características da sua plantação para utilizar, com eficiência, essa importante estratégia para o aumento produtivo do solo da sua fazenda. Espero que esse artigo tenha te ajudado a entender melhor sobre o assunto.

 

Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas

Michelly Moraes