fbpx
(31) 9 8720 -3111 [email protected]

O fósforo é um dos nutrientes cruciais para que as plantas completem seu ciclo de vida e isso fica mais evidente quando entendemos seus processos desde o solo até a planta.

 

Fósforo para plantas

(Fonte: Taurus)

 

O fósforo é um dos macronutriente primário mais requerido pelas plantas, não é à toa que ele está presente em formulações de adubo NPK.

Sendo os fertilizantes fosfatados o segundo tipo de adubo mais utilizado no Brasil. Porém, não é única maneira que pode ser fornecido as plantas como você verá nesse artigo.

Sua deficiência compromete por completo o desenvolvimento e produção de uma planta, não sendo algo raro devido a sua dinâmica no solo e por ser bastante exportados pelas culturas.

Assim nesse artigo você vai conferir e recordar os processos que envolvem o fósforo desde o solo até sua utilização e importância para as plantas.

 

Fósforo no solo

O fósforo no solo apresenta uma dinâmica com diversos detalhes importantes que fazem a diferença quando o assunto é otimizar seu manejo de adubação.

O teor de fósforo nos solos, que de modo geral é limitado, vai variar de acordo com o material de origem desse solo.

Como exemplos temos rochas matriz de arenito, como teores menores de fósforo, a rochas diabásio apresentando teores maiores.

 

Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas

 

Originando assim o fósforo em sua forma inorgânica contido em minerais primários como flurapatita, oxi e hidroxi-apatita.

Ou também nos minerais secundários como a vivianita e variscita, em solos ácidos, e os fosfatos mono, bi e tricálcico em solos alcalinos.

O fósforo também pode estar presente no solo em sua forma orgânica, que nada mais é aquele o fósforo contido na matéria orgânica e que abordaremos mais detalhes nos próximos tópicos desse artigo.

 

Absorção pelas plantas

Mas agora vamos falar um pouco sobre as formas que o fósforo pode estar contido no solo e como cada umas delas influencia na absorção pelas plantas.

A maior proporção de fósforo no solo vai estar no que se entende por P não lábil, em outras palavras vai ser o fósforo que ficou absorvido a superfície de um mineral por mais tempo, seja por um processo de troca de ligantes ou de esfera interna.

Por causa disso o P não lábil acaba sendo um fósforo indisponível para as plantas.

Outra forma de fósforo no solo e de proporções consideráveis é o P lábil, sendo um fósforo de adsorção recente, o que é algo positivo pois quanto mais recente mais fácil de ser retirado para a solução do solo e assim ser utilizado pela planta.

E por fim, vamos ter o fósforo presente na solução do solo, o qual vai estar prontamente disponível para as plantas após a adição de um adubo mineral ou orgânico, por exemplo.

Sendo essa forma de fósforo em solução altamente influenciada pelas condições de pH do solo.

 

Fatores que afetam a disponibilidade de fósforo no solo

Agora que você já sabe quais as formas de fósforo no solo vamos entender quais são os fatores que vão afetar a disponibilidade de fósforo para as plantas.

Uma vez tendo esses fatores em mente torna se mais fácil a escolha por manejos mais adequados para a sua situação.

O primeiro fator é a relação de equilíbrio entre o P lábil e o fósforo na solução. Onde quando mais a proporção de P lábil maior a possibilidade desse fósforo se tornar disponível.

Porém o contrário também é valido, caso seja favorecido o fósforo em solução, após uma adubação muito carregada de P, a situação tendera para a fixação do mesmo no solo.

O segundo fator vai estar ligado com a quantidade e natureza dos coloides do solo, uma vez que maior a porcentagem de partículas de argila ou da concentração de óxidos se tem o aumento do fósforo fixado.

 

Nutrição Mineral de Plantas: Macronutrientes.

 

Outro fator como mencionado anteriormente é o pH do solo, que com seu aumento, através de manejos de calagem por exemplo, vai promover a dessorção do fósforo ao ser trocado com agrupamentos de hidroxilas.

Além disso vai influenciar também na disponibilidade para a planta o tipo de adubo fosfatado utilizado e o teor de água no solo.

Mas para que você entenda melhor esses dois últimos fatores citados precisaremos relembrar as interações e funções que esse macronutriente tem com as plantas.

 

Interações do fósforo com as plantas

Para que o fósforo seja absorvido por uma planta, primeiramente é necessário que o mineral entre em contato com as raízes dessa planta.

Depois desse encontro a planta realiza a absorção do fósforo de forma ativa (com gasto energético) por difusão já que o teor de fósforo nas raízes é muito maior do que no solo.

Isso faz com que o teor de água seja muito importante para a disponibilidade de fósforo para a planta. Pois sem água não ocorre a difusão.

Essa necessidade de contato do fósforo com a raiz é facilmente observada quando temos plantas crescendo em solo ou substrato com ausência ou pouco fósforo.

Onde a planta vai emitir mais raízes secundárias para aumentar mais sua área de contato. Aumento que também ocorre em planta que apresentam associação com micorrizas do solo.

 

Solos no Brasil

 

Além disso é importante lembrar que o fósforo apresenta interações com outros minerais do solo, a exemplo do sinergismo com o magnésio e molibdênio e inibição com o zinco e alumínio.

Já no que se trata da absorção de fósforo via foliar temos que 50% do for aplicado vai ser incorporado entre o primeiro e decimo quinto dia.

E depois disso, aproximadamente 60% do fósforo que foi absorvido pela folha será translocado até a raiz.

 

Função e deficiência de fósforo em plantas

Dentro da classificação de nutrientes o fósforo é entendido como um macronutriente primário pois é essencial para as plantas complete seu ciclo de vida.

Participando de uma série de processos metabólicos, por ser constituinte estrutural de moléculas chaves, como:

  • Monofosfato de adenosina (AMP), adenosina difosfato (ADP) e Adenosina trifosfato (ATP);
  • Nicotinamida adenina dinucleotídeo fosfato (NADP);
  • Ésteres de carboidratos (frutose-6- fosfato, gliceraldeído-3-fosfato, ribulose-1,5 fosfato, etc.);
  • Fosfolipídios constituintes de membrana;
  • Pentoses fosfato dos ácidos nucleicos que compõem o DNA e RNA.

Analisando esses exemplos sem tem uma dimensão ainda maior da importância do fósforo para que a planta tenha energia e se desenvolva bem.

Assim quando uma planta estiver deficiente em fósforo apresentara sintomas, nas folhas mais velhas, de coloração verde azulada com tons arroxeados ou amareladas e menor área foliar.

 

Função e deficiência de fósforo

Planta de milho com sintomas típico de deficiência de fósforo (Fonte: SSSA, 2018).

 

Sua falta na planta também pode causar atraso no florescimento e uma maturação de grãos desuniforme que somados refletem na redução da produtividade da planta e afeta a próxima geração.

Pois o fósforo na forma de fitato é necessário nas reservas iniciais de sementes para a formação inicial do sistema radicular.

Outra particularidade da função do fósforo nas plantas é quando temos ele na forma de fosfito, que não servir para a nutrição da planta, mas sim como um indutor de resistência.

Ativando as defesas da planta contra doenças causadas por o omicetos (Phytophtora, Plasmopara, Pythium, etc.) ao potencializar a produção de metabólitos secundários antimicrobianos.

 

Fertilizantes fosfatados para plantas

Uma das maneiras mais fácies de encontrar e fornecer fósforo para as plantas é através de fertilizantes minerais fosfatados.

Porém, devemos nos atentar as características de solubilidade do fertilizante escolhido pois isso vai influenciar em toda a sua dinâmica de disponibilidade como comentamos inicialmente.

Para os fertilizantes com fosfatos solúveis em água, como por exemplo, o superfosfato simples e triplo, MAP e DAP na forma granulada geralmente é adicionado no sulco de plantio após a calagem.

Já os fosfatos que são insolúveis em água, como os fosfatos naturais e termofosfato devem ser aplicados na forma de pó a lanço e incorporados ao solo, antes da calagem.

 

O fósforo da matéria orgânica para as plantas

Outra maneira de fornecer fósforo para as plantas e aproveitando a forma em que ele é encontrado na natureza, na matéria orgânica.

Sendo essa manteria orgânica um adubo rico em fósforo e que apresenta algumas vantagens em relação ao fósforo proveniente dos fertilizantes minerais.

Pois, o fósforo orgânico depois que passa pelo processo de mineralização, através da ação de microrganismos, torna-se lábil.

Devido a formação de um revestimento húmico que vai dificultar a reação desse fósforo com os hidróxidos e assim diminui sua fixação no solo.

 

matéria orgânica para as plantas

(Fonte: University of Waikato, 2013)

 

Além disso, a formação desses complexos fosfo-húmicos faz com que o fósforo seja mais facilmente liberado em relação aos fosfatos minerais.

Uma vez que os ânions orgânicos liberados na decomposição da matéria orgânica formam complexos estáveis com outros cátions e assim diminui a formação de fosfatos insolúveis.

Assim como, moléculas acidas como CO2 liberado na decomposição da matéria orgânica, gerando o ácido carbônico, que é capaz de dissolver fosfatos insolúveis em H2O.

Como também, H2SO4 e HNO3 provenientes da oxidação do enxofre e do nitrogênio orgânico também vão facilitar a solubilização do fosfato.

 

Conclusão

Espero que depois da leitura desse artigo você tenha refrescado seus conhecimentos dos tópicos mais importante relacionados ao fósforo para as plantas.

Desde sua dinâmica no solo, interação e função nas plantas até as principais fontes de adubo.

Para ler mais artigos como esse e de outros assuntos de seu interesse continue navegando em nosso blog.

Além de acompanhar todas as novidades através do perfil da Agropós do Instagram.

 

Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas

João Verzutti