(31) 9 8720 -3111 [email protected]

Você sabia que o sorgo é um dos cereais mais produzidos em todo o mundo, estando atrás apenas do trigo, arroz, milho, soja e cevada? Já no Brasil, a plantação de sorgo tem ganhando ainda mais destaque, principalmente no período da safrinha. Hoje vamos dar ênfase no sorgo forrageiro que tem uma grande importância. Quer ficar por dentro?

Venha comigo!

 

SORGO FORRAGEIRO

 

O sorgo é o quinto cereal mais produzido do mundo atrás apenas do trigo, arroz, milho e cevada. No Brasil, o sorgo vem ganhando espaço nos últimos anos, principalmente como alternativa de plantio de safrinha ou segunda safra.

A plantação de sorgo funciona como base da alimentação em muitas partes do mundo. Na América do Sul, nos Estados Unidos e na Austrália, por exemplo, este cereal é utilizado basicamente para a fabricação de rações na alimentação animal.

Já em regiões da América Central, na Ásia e na África, seus grãos são usados também para a alimentação humana para produção de farinha e de amido industrial, utilizados principalmente na fabricação de pães e biscoitos.

Neste artigo vamos abordar sobre o tipo de sorgo “Forrageiro”, onde irá ajudar o leitor dominar mais sobre o assunto.

 

Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas

 

Plantação de sorgo no brasil

O Brasil é o 9º maior produtor de sorgo do mundo, com a plantação de sorgo ganhando bastante espaço na safrinha. Na safra 2020/21, por exemplo, estima uma produção de 2,5 milhões de toneladas, 4% superior em relação à safra passada.

Mesmo com área menor, a plantação de sorgo no período adquire uma produtividade maior, passando de 2.991 kg/ha para 3.111 kg/ha.

No país, o maior produtor é o estado de Goiás, com 1,2 milhão de toneladas. Outros 12 estados também plantam sorgo com certa representatividade.

 

Cultura de Sorgo

 

Seu cultivo ocorre normalmente após a colheita da soja, sendo o início da janela de plantio a partir do final de fevereiro e março, com colheita sendo realizada em junho ou julho. O sorgo possui atrativos importantes que contribuem para seu cultivo no período da safrinha.

Em relação às doenças, o sorgo apresenta menor incidência de micotoxinas nos grãos e baixo fator de reprodução de nematoides.

Além disso, por apresentar mecanismos fisiológicos interessantes, a plantação de sorgo exige pouca umidade, com suas plantas resistindo a maiores períodos de seca.

Quanto a sua característica e classificação

A cultura de sorgo tem sido utilizada para a silagem principalmente por sua facilidade de cultivo, altos rendimentos, tolerância à seca e capacidade de explorar grande volume de solo.

O sorgo é uma planta de porte alto, acima de 2,70 metros de altura, o que confere a essas cultivares um alto potencial de produção de massa verde.

A produção pode variar de 50 a 70 t/ha no primeiro corte, colhendo-se de 30% a 70% desse volume no segundo corte, dependendo da temperatura, da disponibilidade de água, da fertilidade do solo e da adubação.

Quanto a sua classificação agronomicamente a cultura de sorgo é classificada em 5 grupos: Granífero; Sacarino; Forrageiro; Vassoura; Biomassa. Hoje vamos dar ênfase no sorgo forrageiro.

 

Checklist agrícola

 

Afinal, o que é sorgo forrageiro?

Cerca de 80% da alimentação dos ruminantes possuem como fonte volumosos, sem dúvida devido justamente à sazonalidade da produção de pastos.

Uma opção de volumoso, que vem sendo muito usada pelos pecuaristas, é o sorgo forrageiro em forma de pastejo, forragem para corte e silagem.

Comparado ao granífero, o forrageiro apresenta algumas diferenças, como o tamanho. Ele possui porte alto, acima dos 2 metros de altura, com muitas folhas, cachos abertos, poucas sementes e alta produção de forragem.

Uma opção de volumoso, que vem sendo muito usada pelos pecuaristas, é o sorgo forrageiro em forma de pastejo, forragem para corte e silagem.

 

Sorgo na alimentação bovina

(Fonte: Fundação Roge)

 

Comparado ao granífero, o forrageiro apresenta algumas diferenças, como o tamanho. Ele possui porte alto, acima dos 2 metros de altura, com muitas folhas, cachos abertos, poucas sementes e alta produção de forragem.

O Sorgo forrageiro possui dois subtipos: sacarino e vassoura. O primeiro deles é o utilizado na alimentação animal. Ele possui um colmo (caule) mais doce e suculento. Costuma ser muito bem aceito pelo rebanho por conta do sabor.

Já o outro apresenta panículas (tipo de inflorescência) em formato de uma vassoura, que é uma das suas finalidades, ou seja, ser usado para varrer quintais.

 

Quais as vantagens?

Mesmo precisando de alguns cuidados quanto ao seu consumo desse alimentação pelo rebanho, que veremos mais a frente, o sorgo forrageiro apresenta muitas vantagens.

Tanto que é considerado competitivo com outros tipos de complementos alimentares que são usados no processo de silagem.

 

Quais as vantagens

(Fonte: Iagro, 2016)

 

Uma vez que é considerado uma fonte de proteína, é muito indicado ao bovinos e ovinos, tendo algumas limitações quanto aos suínos e aves por conta dos valores nutricionais. Acaba sendo interessante por conta do custo-benefício.

Por ser mais barato, o seu cultivo acaba sendo mais vantajoso quando comparado ao milho, por exemplo. Ele costuma ser mais resistente a seca, ao ataque de pragas e doenças.

Pode ser plantado em solos com baixa fertilidade ou com bastante umidade (não podendo ficar alagado durante todo ou maior parte do ciclo).

 

Solos no Brasil

 

Quanto ao cultivo

Para plantá-lo, você deve preparar o local. Assim, este deve ser arado e que não seja compacto. De preferência, deve ser um solo que não teve uma cultura plantada antes. Nesse sentido, antes de arar, recomenda-se colocar um pouco de calcário no solo e, após arar, colocar a outra metade.

O próximo passo consiste na semeadura. Portanto, deposite as sementes em uma profundidade de 3 cm. Mas atenção, quanto mais argiloso o solo for, menos profundidade as covas devem ter.

Um outro ponto importante é que, para o cultivo do sorgo forrageiro, o adubo deve ser colocado a uma distância de, pelo menos, 3 cm das sementes, tanto nos lados quanto abaixo ou acima delas.

Por fim, preste muita atenção na adubação, pois ela deve sempre ser ministrada para que o solo nunca fique esgotado de nutrientes.

Uma boa matéria orgânica sempre é bem-vinda! A irrigação, por sua vez, deve ser sempre em função da umidade do solo, mas ela resistente bem a tempo secos, chuvas fortes e ventos.

 

Quantos dias para colher o sorgo forrageiro?

Para a colheita do sorgo forrageiro, com a finalidade de se produzir ensilagem, deve-se considerar o estádio de maturação dos grãos no momento do corte.

O estádio de grãos pastosos é o ponto ideal para colheita do sorgo para ensilagem. O período para colheita dura de 7 a 12 dias. A determinação do ponto de colheita é feita de forma visual, por meio da observação dos grãos na parte média da panícula

Deve-se pressionar os grãos e constatar se os mesmos estão no estádio pastoso. Neste ponto, os grãos da base da panícula estarão na fase leitosa. Isso coincide com uma matéria seca de 30 a 35%.

 

Colhendo o sorgo

(Fonte: La Salle Agro)

 

Desta forma, a cultura do sorgo apresenta-se como uma opção interessante para a produção de forragem de qualidade na época seca do ano.

Seu plantio é menos arriscado, quando comparado com outras culturas de grãos e pode ser destinado a produção de silagem, pastejo direto ou servido no cocho.

 

Conclusão

O sorgo é, portanto, uma planta mais tolerante, tem potencial para a produção de alimentos para as criações, especialmente em um cenário de instabilidade climática.

No cultivo do sorgo utiliza-se diferentes práticas e técnicas agrícolas que viabilizam o melhor desenvolvimento da cultura, garantindo o aumento da produtividade nas lavouras.

Seu plantio é menos arriscado, quando comparado com outras culturas de grãos e pode ser destinado a produção de silagem, pastejo direto ou servido no cocho.

Espero que esse artigo tenha colaborado. Se você gostou desse conteúdo e te ajudou e esclareceu suas dúvidas. Comente e compartilhe em suas redes sociais!

 

Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas

Michelly Moraes