(31) 9 8720 -3111 [email protected]

Compostos orgânicos são moléculas formadas por átomos de carbono ligados por meio de ligações entre si e com outros elementos, como hidrogênio, oxigênio, nitrogênio e fósforo.

Para agricultura estes compostos são de extrema importância para nutrição das plantas.

Neste post vamos conhecer um pouco mais sobre esse assunto e como ele é importante para aproveitamento de resíduos na propriedade.

Boa leitura!

 

Composto orgânico

 

O que são os compostos orgânicos?

Os compostos orgânicos são aqueles formados por carbono, além de na maioria das vezes, por átomos de hidrogênio também.

Independente se foram obtidos de maneira sintética, como exemplo a síntese da ureia a partir do cianeto de amônio ou sua obtenção por organismos vivos.

Os átomos de carbono têm como propriedade a capacidade de se unir e formar estruturas químicas chamadas de cadeias carbônicas.

Desse modo, cada átomo desse elemento pode realizar quatro ligações covalentes e, por isso, milhões de compostos são formados.

O conjunto de átomos de carbono unidos por ligações covalentes formam as moléculas orgânicas.

As moléculas são divididas em funções orgânicas, que agrupam os compostos de acordo com características semelhantes. São elas:

 

Compostos orgânicos

Fonte: TodaMatéria

 

O que é o composto orgânico para agricultura?

O composto orgânico para a agricultura, é um fertilizante obtido pela mistura de resíduos orgânicos de origem vegetal e/ou animal, que passam por um processo bioquímico natural ou controlado por um período de compostagem.

Compostagem é um processo biológico de transformação da matéria orgânica crua em substâncias húmicas, estabilizadas, higienizadas, com propriedades e características diferentes do material de origem.

Trata-se do aproveitamento de matéria-prima que contém relação carbono/nitrogênio (C/N) favorável ao metabolismo dos microrganismos que irão efetuar sua biodigestão.

Dessa forma, essa tecnologia é capaz de transformar as características dos resíduos sólidos orgânicos em um produto com características de fertilizante de solo.

A compostagem é desenvolvida pela ação de uma população diversificada de microrganismos, efetuada em duas fases:

1ª fase:  ocorrem as reações bioquímicas mais intensas, predominantemente termofílica.

2ª fase: é caracterizada pelo processo de humificação de 90 a 120 dias para obtenção do composto orgânico bioestabilizado.

 

Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas

 

Benefícios para a agricultura

Cada vez mais utilizado na agricultura, este tipo de fertilizante contribui com melhorias significativas nas plantações.

Por isso, o uso deste composto está cada vez mais difundido em diversas culturas.

Abaixo vamos conferir os principais benefícios desses compostos do ponto de vista agronômico:

  • Eles são fertilizantes orgânicos, ricos em húmus, modificam as propriedades físicas do solo à medida que são aplicados.
  • Promovem a formação de agregados.
  • Aumentam a porosidade, a aeração, a capacidade de retenção de água no solo.
  • Diminui uma possível queda de produção por estiagem por conservar a umidade no solo por mais tempo.
  • Proporciona um aumento da capacidade de troca catiônica (CTC) do solo, ou seja, os nutrientes catiônicos, cálcio, magnésio e potássio não serão lixiviados e passam a ficar disponíveis para as plantas em maiores quantidades e por mais tempo.
  • Liberação de alguns ácidos orgânicos, como ácidos fúlvicos e húmicos, liberados pelo fertilizante, e diminuem a adsorção (imobilização) do P, sendo que este é um grande problema nos solos brasileiros.
  • Diminuem também as variações de pH, pelo seu poder de tamponamento, diminuindo necessidade de calagem (aplicação de calcário no solo para elevar o pH).
  • Fertilizantes químicos, aplicados nestas condições, serão mais bem aproveitados pelas plantas, e sua ação sobre a acidez e a salinização do solo diminuirá consideravelmente.

Agora que conhecemos seus benéficos, vamos ver como os compostos orgânicos podem ser preparados na sua propriedade?

 

Solos no Brasil

 

Conheça passo a passo do preparo do composto orgânico

Como preparar o composto orgânico:

1° passo – Escolha do local: O local deve ser sombreado, livre de enxurradas e com uma leve declividade.

2° passo – Ingredientes para a construção do composto: A pilha de compostagem deve ter aproximadamente 75% de restos vegetais (material grosso e material fino) e 25% de estercos.

Podendo ser formado por restos vegetais grosseiros (napier picado, bagaço de cana, entre outros), restos vegetais finos (folhas secas, capim, sobra de alimentos, entre outros) e esterco, que pode ser estercos de aves, bovino, equinos, coelhos, entre outros.

 

 

3° Passo – Escolher o formato mais adequado da compostagem: Formato triangular é indicado para períodos ou locais chuvosos, pois favorece o escorrimento de água. Formato trapezoidal, favorece a infiltração de água.

4° Passo – Dimensionar o tamanho da compostagem: O tamanho da pilha para o reviramento manual não deve ser mais alto que 1,5 m.

5° Passo – Revolvimento da pilha de composto: Deve-se revolver a pilha quando a temperatura chegar em torno de 65°C.

O ideal é 3 a 4 revolvidas aos 15, 30, 45 e 60 dias, colocando a parte de cima da leira para baixo e a de baixo para cima.

 

material para compostagem

 

Cuidados para obtenção de um composto de qualidade

Vimos neste post que o composto orgânico é obtido pelo processo de compostagem, que nada mais é que um conjunto de técnicas aplicadas para controlar a decomposição de resíduos orgânicos.

Sua finalidade é obter em menor tempo possível, um material estável, rico em húmus e nutrientes minerais, com atributos físicos, químicos e biológicos superiores sob o aspecto agronômico.

Para o preparo do composto na propriedade agrícola, duas fontes de matérias-primas são necessárias: os restos vegetais da própria lavoura, como a casca do café ou quaisquer outros resíduos culturais e restos animais, como estercos, cama de aviário, entre outros.

É importante saber que pilha de compostagem deve ser montada em camadas sobre lona plástica ou terra batida ou cimentada, isso porque a liberação de chorume pode contaminar a terra e a água.

O chorume deve ser coletado e devolvido à pilha, assim, retornam também os nutrientes que seriam perdidos.

O revolvimento permite remover o excesso de CO2 da pilha, oxigenar o composto, ajustar a umidade e a temperatura quando necessário e ainda realizar o controle sanitário da leira.

A temperatura da compostagem deve estar entre 50°C a 65°C, a umidade da compostagem deve estar entre 40% a 60% (no dia do preparo, irrigue a compostagem até escorrer água pelas laterais).

A aeração é importante e deve ser de 10 a 17% de O2 na pilha.

O tempo de compostagem varia em função de cada região do Brasil, da composição e manejo do composto. Em geral, entre 90 a 120 dias o composto ficará pronto.

Quando isso ocorre, o composto permite ser moldado com as mãos, estará frio (próxima à temperatura ambiente) e há cheiro de terra de mata molhada ou terra mofada.

Agora é mão na massa e bom trabalho!

 

Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas

Juliana Medina