fbpx
(31) 9 8720 -3111 [email protected]

O Brasil é um dos maiores produtores de café do mundo. Apesar disso, alguns problemas tendem a prejudicar as lavouras. Como a Cercosporiose, com isso preparamos esse artigo onde você irá saber tudo sobre essa doença.

Venha Comigo!

Cercosporiose no café

(Fonte: Campo & Negócios, 2016)

 

O café é hoje um dos principais e mais importantes itens de exportação do Brasil, sendo responsável por movimentar a economia e gerar inúmeros empregos ao longo de todo o território nacional.

Esse fruto, além de representar uma tradição cultural muito forte para o país, é também a segunda bebida mais consumida em todo o mundo, o que nos evidencia ainda mais sua grande importância e notoriedade.

Dentre os principais fatores que influenciam diretamente na produtividade e na qualidade dos frutos do cafeeiro estão as doenças, que, se não diagnosticadas e combatidas de forma e no tempo correto, podem colocar em risco toda uma lavoura, causando prejuízos ao produtor e também à sua produção.

Uma das principais e mais conhecidas doenças que atacam o cafeeiro é a cercosporiose. Então vamos conhecer mais sobre essa doença?

 

 

O que é a cercosporiose?

A cercosporiose do café é uma doença causada pelo fungo Cercospora coffeicola. Também conhecida como mancha-de-cercospora ou mancha de olho pardo, ela ataca as folhas e também os frutos do café, trazendo prejuízos à qualidade dos grãos.

A primeira vez que a doença foi identificada no Brasil foi em 1887. Um problema antigo, que preocupa os produtores de café do país.

A doença está presente em praticamente todas as áreas produtivas do Brasil e causa prejuízos ao cafeeiro desde a sua fase jovem até a adulta. Cabe destacar que ela fica apenas atrás da ferrugem em importância para as doenças do café.

 

Ciclo da Doença

A disseminação do fungo ocorre através do vento, água ou até mesmo por insetos. Após atingir a planta e sob as condições favoráveis de umidade e temperatura, ocorre a sua germinação e a penetração através da cutícula.

 

Cultura de Café

 

A ocorrência se dá pelas aberturas naturais da folha. A doença é favorecida em temperaturas entre 18°C e 25°C, com elevada umidade relativa e elevada radiação solar. Após períodos de chuva seguidos de veranicos ou em períodos de intensa radiação solar e déficit hídrico, a doença pode ser intensificada.

O desequilíbrio nutricional também pode influenciar na incidência dessa doença. Em sistemas convencionais, outros fatores podem resultar em maior suscetibilidade da cercosporiose no café:

  • menores teores de cálcio;
  • magnésio foliares nas fases de granação e maturação dos frutos;
  • carência de nitrogênio.

 

Fungos causadores de doenças em plantas.

 

Sintomas da doença

Os sintomas nas folhas manifestam-se como manchas de configuração mais ou menos circular, com 0,5-1,5 cm de diâmetro, de coloração pardo-clara ou marrom-escura, com centro branco-acinzentado, envolvidas por anel arroxeado, dando a ideia de um olho.

No centro das lesões, em estádio mais avançado, geralmente são observadas pequenas pontuações pretas, que constituem as estruturas de frutificação do fungo. As folhas atacadas caem rapidamente, ocorrendo desfolha e seca dos ramos.

 

Cercosporiose na folha do café

(Fonte: Agrolink)

 

A desfolha é causada pela grande produção de etileno no processo de necrose, bastando uma lesão por folha para causar sua queda. Nos frutos, as lesões começam a aparecer quando estes estão ainda pequenos, aumentando o ataque no início da granação.

 

Cercosporiose no fruto do café

(Fonte: Agrolink)

 

As lesões permanecem até o amadurecimento dos frutos. Seu aparecimento ocorre principalmente nas partes mais expostas à insolação, na forma de pequenas manchas castanhas, deprimidas, que se alongam no sentido das extremidades.

À medida que as manchas envelhecem, assumem um aspecto ressecado e escuro, fazendo com que a casca, nessa parte, fique aderente à semente, o que, em ataques mais severos, causa seu chochamento.

 

Prevenção da Cercosporiose

Um método eficiente e que surte efeito na plantação é a manutenção do equilíbrio nutricional do solo. Por exemplo, quando há falta ou excesso de nitrogênio na matéria seca, o crescimento da planta sofre interferência, mais especificamente um desenvolvimento debilitado e o retardo da sua maturação, respectivamente.

A partir do momento que esses níveis estão bons, é possível encontrar um cafeeiro com crescimento mais vigoroso e também com menor propensão a ter doenças.

O bom tratamento do solo deve vir acompanhado de sementes de qualidade. É importante que elas estejam limpas, sadias e tenham recebido tratamento adequado.

 

Plantação de café

(Fonte: Revista Irrigazine, 2016)

 

O mais indicado é que elas sejam cultivadas em áreas drenadas, bem arejadas e que tenham sombreamento. Lembre-se também de evitar a irrigação excessiva, pois ela é vetor para a cercosporiose do café.

No momento de plantio é importante que o solo tenha uma matéria orgânica rica e não esteja compactado, a fim de que as sementes possam se desenvolver e as raízes da planta não sejam afetadas em sua absorção de nutrientes.

 

Checklist agrícola

 

Controle Cercosporiose

Em lavouras adultas é recomendado um cuidado maior no momento da adubação, com o objetivo de evitar o desequilíbrio da relação parte aérea/sistema radicular, condição essa que favorece o desenvolvimento da doença.

Este cuidado deve ser redobrado quando utilizadas cultivares que possuem uma alta produção precoce, levando a uma necessidade maior de adubação nitrogenada em equilíbrio com a adubação potássica.

 

Aplicação De Fungicida no café

 

O controle químico da cercosporiose, assim com as medidas citadas anteriormente, deve ter caráter preventivo, ou seja, os produtos (fungicidas) devem ser aplicados com o objetivo de prevenir o surgimento da doença, e não a combater após sua proliferação na lavoura. É recomendado que o controle seja feito entre os meses de dezembro e fevereiro.

 

Conclusão

A cercosporiose do café é uma doença séria para a cultura. É muito importante fazer um constante monitoramento da área, especialmente, pois a doença se desenvolve devido a condições que podem ser tratadas antes mesmo do plantio.

Não dá para perder produtividade ou ter um fruto de má qualidade, não é mesmo? Por isso, escolha os cuidados certos.

Gostou de saber mais sobre o assunto?  Deixe seu comentário e acompanhe nosso blog e fique por dentro dos próximos artigo sobre o tema!

 

Michelly Moraes