(31) 9 8720 -3111 [email protected]

As plantas para se desenvolverem é necessário vários processos que são controlados de forma contínua pelos chamados hormônios vegetais ou fitormônios.

Eles são produzidos em determinadas células e transportados para seus locais de atuação.

Existem vários hormônios e com funções distintas. Neste post vamos citar cada um e sua função nas plantas.

Boa leitura!

 

Hormônios Vegetais

 

O que são os hormônios vegetais?

Os hormônios vegetais ou fitormônios são substâncias produzidas pelas plantas e que atuam na regulação do seu desenvolvimento e crescimento.

A função dos hormônios é atuar como mensageiros químicos entre células, tecidos e órgãos das plantas.

Eles possuem ação mesmo em pequena quantidade.

Os hormônios atuam em locais específicos, com objetivo de desencadear uma ação ou processo vegetal.

Geralmente, são conduzidos até ao seu local de atuação pelo xilema e floema, porém, podem atuar no mesmo local onde foram produzidos.

 

Ação dos hormônios vegetais na germinação das sementes.

 

Os principais hormônios vegetais são: auxinas, giberelinas, citocininas, etileno e ácido abscísico.

Entretanto, é bem estabelecido que as plantas utilizam outros hormônios, mas aqui vamos citar apenas os principias fitormônios reguladores das plantas.

 

 

Giberelina

As giberelinas são homônimos produzidos em meristemas apicais do caule e raiz, em folhas jovens, no embrião da semente e nos frutos.

A classe das giberelinas controlam vários aspectos do crescimento e desenvolvimento das plantas.

Uma vez que elas atuam no alongamento do caule, no crescimento de raízes e frutos e na germinação de sementes.

O embrião da planta jovem produz giberelinas que estimulam a semente a sintetizar enzimas digestivas.

 Essas enzimas degradam moléculas orgânicas armazenadas no endosperma. Como resultado dessa degradação são liberados açúcares e aminoácidos para o embrião.

Atualmente, existem mais de 137 tipos de giberelinas. A mais conhecida é o ácido giberélico.

 

Checklist agrícola

 

Ácido abscísico

O ácido abscísico é produzido nas folhas, coifa e caule. Ele é produzido nas raízes e transportado via xilema.

O ácido abscísico é um inibidor do crescimento das plantas. É responsável pelo bloqueio do crescimento das plantas durante o inverno.

Sintetizado por quase todas as células, tendo papel importante para as plantas que passam por situações de estresse, como grandes períodos de seca.

O ácido abscísico inibe também a ação de outros hormônios, impedindo por exemplo, a germinação de sementes.

 

Etileno

O etileno é um hormônio gasoso e é produzido em quase todos os tecidos vegetais em resposta ao estresse.

Ele promove vários efeitos nas plantas, como a germinação de sementes e a senescência.

Outro efeito que quando se fala do etileno sempre é um dos mais relevantes é sua ação no amadurecimento de frutos e na abscisão de folhas, flores e frutos.

Devido a esses efeitos, esse hormônio é muito utilizado na agricultura, sendo aplicado em frutos para facilitar a colheita mecânica e no amadurecimento de frutos quando colhidos verdes.

Esse hormônio desencadeia uma série de reações que ocasionam mudança de cor do fruto, bem como amolecimento da parte carnosa e aumento do metabolismo de açúcares.

O etileno atua também deixando o fruto mais chamativo e saboroso.

Esse hormônio e a auxina possuem ações antagônicas. Enquanto o etileno estimula, a auxina inibe.

No processo de abscisão, o etileno faz com que enzimas sejam liberadas e estas irão agir dissolvendo as paredes celulares no local de abscisão.

Já a auxina atua reduzindo a sensibilidade das células ao etileno.

O etileno também desempenha um papel importante na família Cucurbitaceae, família da abóbora, pepino, melancia, por exemplo.

Esse hormônio está associado com o aparecimento de flores femininas nessas plantas. Ele participa, portanto, da regulação da expressão sexual nessa família.

 

Citocininas

Citocininas são hormônios vegetais responsáveis pela divisão celular, desse modo, pelo seu desenvolvimento como um todo.

Esses hormônios são produzidos nos meristemas das raízes, folhas e frutos jovens, além de sementes em desenvolvimento.

O transporte de citocinina para as diversas partes do vegetal é feito principalmente pelo xilema (raiz – parte área) e seu retranslocamento é realizado via floema.

Sendo responsável por outros processos fisiológicos de desenvolvimento: dominância apical, mobilização de nutrientes, senescência foliar, a formação e a atividade dos meristemas apicais caulinares, desenvolvimento floral, quebra de dormência em gemas e germinação de sementes, aumento da longevidade de tecidos e órgãos.

Na divisão celular e desenvolvimento vegetal, as células recém formadas normalmente se expandem e se diferenciam para assumir sua função (transporte, sustentação, armazenamento, fotossíntese, etc.)

Quase todos os tipos de células vegetais que conservam o núcleo na maturidade apresentam a capacidade de se dividirem.

Essa propriedade entra em funcionamento durante certos processos, como a cicatrização de lesões e abscisão foliar.

Células vegetais diferenciadas podem retomar a divisão, mas sempre com sinal hormonal.

 

Fungos causadores de doenças em plantas.

 

Auxinas

A auxina é um importante hormônio vegetal que atua regulando o crescimento e desenvolvimento da planta.

O comportamento onde as plantas tendem a crescer verticalmente, ocorre devido à necessidade de luz para assegurar a sua sobrevivência e auxina auxilia no controle desse crescimento.

Além das plantas, esses hormônios podem ser encontrados também em fungos, bactérias e algas.

Dentre as atividades fisiológicas das auxinas, podemos destacar como a principal a regulação do crescimento dos vegetais.

Elas são produzidas nos locais onde há crescimento, por exemplo, células meristemáticas, folhas jovens, flores, frutos, nas pontas dos caules e das raízes, sendo o mais comum o AIA (Ácido indolacético).

Dependendo de sua concentração, as auxinas podem ter diversos efeitos sobre a planta e um deles é fenômeno chamado de dominância apical.

 

As principais funções dos hormônios vegetais nas plantas

 

Função dos hormônios vegetais

Foto: Prof. Rafael Rosolen T. Zafred

 

Os hormônios possuem efeitos tanto estimuladores como inibidores nas células.

Além disso, o mesmo hormônio pode desencadear respostas diferentes de acordo com o tecido ou fase de desenvolvimento da planta.

Certos hormônios podem interferir na síntese ou na transmissão de sinal de outro hormônio.

Uma concentração hormonal muito baixa é suficiente para a ativação dos seus efeitos, entretanto essa concentração varia em função da sensibilidade de cada tecido.

Dessa forma, os vários tipos de tecidos podem necessitar de diferentes quantidades de hormônios para que as respostas fisiológicas e de desenvolvimento ocorram.

A ação dos hormônios dentro das células pode ser através de modificações em moléculas presentes nas vias metabólicas ou diretamente no DNA, ativando ou reprimindo genes e, com isso, interferindo na síntese de proteínas.

Então é isso, espero ter ajudado a compreender um pouco mais sobre a importância e as funções dos hormônios vegetais.

Em nosso blog há mais posts sobre esse assunto, não perca tempo e confira!

 

Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas

Juliana Medina